Uncategorized

A psicologia das cores das mulheres de The Handmaid’s Tale

As cores possuem uma influencia sutil na psicologia humana. O pessoal que trabalha com publicidade, marketing, design e cia. já sabe disso há um bom tempo. A pesquisadora social Eva Heller, em seu livro “A psicologia das cores”, explora a questão da forma como percebemos as cores de forma bastante interessante, a partir de uma ampla investigação na Alemanha com cerca de 2.000 participantes. Apesar de ser um estudo localizado, o livro de Eva tem uma boa aceitação em diversos países.

“Os resultados das pesquisas demonstram que cores e sentimentos não se combinam ao acaso nem são uma questão de gosto individual – são vivências comuns que, desde a infância, foram ficando profundamente enraizadas em nossa linguagem e em nosso pensamento.”

Na série The Handmaid’s Tale, é interessante observar como as cores nas vestimentas é utilizada para ajudar a contar a história. A sociedade fictícia de Gilead (ex-EUA) é constituída por um sistema de classe bastante rígido. Não há mais individualidade; todos devem se sacrificar (alguns mais, outros BEM menos, como a série bem mostra) pelo bem maior da nação. O eu é apagado. E a padronização das vestimentas é uma estratégia muito importante neste processo todo, por indicar visualmente a que classe cada um pertence e qual o seu papel. Isso facilita o controle social.

O AZUL

As mulheres dos comandantes usam roupas azuis. Tal cor é relacionada a passividade, tranquilidade, distanciamento e frieza. Em Gilead, as esposas dos comandantes precisam assumir exatamente este papel, como figuras extremamente submissas. Suas possibilidades são limitadas; no caso de Serena Joy, por exemplo, a série mostra o embotamento da personagem, que era uma mulher bastante ativa e de opiniões fortes. que chegou a escrever um livro sobre o papel feminino no viés conservador. Feita a revolução, a própria Serena e tantas outras mulheres não tem mais o direito de sequer ter acesso a livros. O azul também tem uma conexão religiosa com as imagens da Virgem Maria, o que além de reforçar a questão da pureza, também simboliza o fato de serem mulheres que são mães por uma (suposta) graça divina (nome “bonitinho” para chamar o “estupro de outra mulher”).

O VERDE

As marthas são servas que, diferente das aias, são mulheres inférteis. Sua função social está ligada aos afazeres domésticos, vistas principalmente nas cozinhas.  A cor imposta às marthas é um verde desbotado e opaco. O verde é uma cor bastante associada a calmaria, a natureza e à saúde – sendo assim, faz sentido ser a cor das marthas, que são responsáveis pelo cuidado das casas e dos membros das famílias dos comandantes. Também existem associações entre o verde e a fertilidade e a esperança, mas não temos isso neste caso, talvez também por isso o tom escolhido seja não um verde vivo e brilhante, e sim um verde quase cinza, apagado, praticamente morto. As marthas são amplamente invisibilizadas em Gilead.

O VERMELHO

A cor das aias, as poucas mulheres que ainda conseguem gerar vida. O vermelho é ligado às paixões (sejam de amor ou de ódio), ao desejo, à intensidade e também ao perigo. É a cor do sangue e, por isso, também é a cor da vida. No cenário de Gilead, marcado por tons pastéis, apagados e frios, o vermelho das aias se destaca de longe. Podemos levantar diversas camadas para entender a escolha do vermelho.

No momento em que é uma cor que remete à vida, temos a questão da fertilidade rara dessas mulheres (apesar de também ficar no ar se o problema de infertilidade é algo que afeta as mulheres, os homens – mas que jamais reconheceriam isso – ou ambos). As roupas das aias carregam a esperança da continuidade da sociedade. Ao mesmo tempo, em um ambiente em que a sexualidade é reprimida e o objetivo de toda a sociedade se volta à reprodução humana, as aias representam também, para os homens, o desejo sexual e o acesso a um fruto proibido. Claro, é uma deturpação da sexualidade, e o que está em jogo em situações de estupro é muito mais o poder do que o sexo. Mesmo assim, é possível considerar o simbolismo da cor. O vermelho também é imponente, tido como a cor de reis e outras figuras de autoridade, então a “cerimônia” imposta às aias também é mais um reforço no processo de abuso de poder dos comandantes sobre a vida de mulheres fortes. O vermelho também pode remeter ao passado supostamente pecaminoso das mulheres escravizadas e colocadas em posição de aia, vistas como “vadias” e “impuras” no fundamentalismo louco implantado em Gilead.

 

O MARROM

As tias usam marrom. São mulheres responsáveis pelo “treinamento” e gerenciamento das aias. Conforme o livro de Heller, o marrom pode remeter ao antiquado, ao feio, a burrice e ao desagradável. As tias parecem ser mulheres que seguem uma fé cega e arcaica. Com certeza, é difícil criar simpatia por elas, mesmo que personagens como a Tia Lydia demonstrem pequenos momentos de uma espécie de “carinho” com as aias. A impressão que me passa é que são mulheres que realmente acreditam nas maluquices do grupo que constituiu a sociedade de Gilead, abraçando a causa de forma tão fervorosa que perderam seu senso crítico a ponto de se tornarem agentes fascistas bastante perversas. E falando em fascismo, também não podemos esquecer que o uniforme das tias lembra também um pouco alguns uniformes nazistas.

 

O ROSA

Não temos muitas cenas com crianças, o que é natural, já que elas são tidas como um verdadeiro milagre em Gilead. Mas as meninas aparecem sempre em tons de rosa claro, o que remete à pureza, suavidade e inocência. No entanto, sabemos que, assim que elas crescerem, provavelmente terão um destino bastante cruel e o rosa será substituído conforme o tipo de servidão que elas irão cumprir.

 

 

1 thought on “A psicologia das cores das mulheres de The Handmaid’s Tale

  1. Adorei sua análise. Irei apresentar um trabalho em um congresso de linguística, onde irei trabalhar a semiótica na capa do livro. Estarei analisando todos os elementos encores contidos na capa. Esta sua análise irei me ser bem útil. Muito obrigado e parabéns pelo belo trabalho.

    ATT: Marlon Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *